Loading...

quinta-feira, 3 de novembro de 2016

Assédio moral

O Assédio Moral pode ser identificado por repetitivos atos humilhantes, que levam a pessoa a sentir-se ofendida, desvalorizada, envergonhada. A vítima torna-se amedrontada, adquirindo problemas psicológicos.
Resultado de imagem para Assédio moral
NOTAS INTRODUTÓRIAS
O Assédio Moral pode ser identificado por repetitivos atos humilhantes, que levam a pessoa a sentir-se ofendida, desvalorizada, envergonhada. A vítima, com receio de perder o emprego, torna-se amedrontada, adquirindo problemas psicológicos.
Na maioria dos casos, a intenção do agressor é pressionar a vítima para que a mesma peça demissão, criando um ambiente insuportável, podendo sofrer de angústia, depressão e até mesmo pensar em suicídio.
Geralmente, agressor não tem consciência de que está assediando, uma vez que encontra-se acostumado em agredir verbalmente.
CARACTERÍSTICAS DA VÍTIMA E DO AGRESSOR
A vítima, normalmente, é isolada e impedida de se expressar, sendo fragilizada emocionalmente e profissionalmente. São muito comuns:  falta ou excesso do sono, crises de choro, irritabilidade, aparecimento de dores de cabeça e por todo o corpo, perda de apetite, tonturas, aumento da pressão arterial, problemas digestivos e, algumas vezes, fuga por meio de álcool e drogas, dentre outros.
O agressor age através de condutas constrangedoras e até abusivas. Ele inferioriza, amedronta, menospreza, difama, ironiza, ignora, não cumprimenta, é indiferente, controla o tempo absurdamente.
COMO REAGIR
O assediado deve anotar detalhes das humilhações sofridas, como: data, hora, local, quem foi o agressor, quem testemunhou, o que aconteceu, o que foi falado. Deve, ainda, pedir ajuda de colegas e evitar conversar com o agressor sem testemunhas, relatar o que ocorre ao Ministério Público, buscar auxílio da Justiça do Trabalho, buscar apoio em Comissões de Direitos Humanos, não se calar e comentar o que ocorre com familiares e amigos.
SITUAÇÕES QUE CONFUNDEM COM ASSÉDIO MORAL
Humilhações, comentários depreciativos ou constrangimentos devem ser frequentes, ou seja, para haver Assédio Moral é necessário que os comportamentos do assediador sejam repetitivos. Um comportamento isolado ou eventual não configura Assédio Moral, ainda que produza dano moral.
Cobranças, críticas construtivas e avaliações sobre o trabalho e comportamento específico feitas de forma explícita, deste que não seja vexatória, são normais. No entanto, ocorre Assédio Moral quando direcionadas de modo repetitivo e utilizadas com o propósito de represália, comprometendo negativamente a integridade física e psicológica.
A demora na resolução de conflitos pode propiciar a ocorrência de práticas de Assédio Moral.
Trabalhar em local pequeno, com poucas condições de trabalho não é um ato de Assédio Moral em si, a não ser que o objetivo seja desmerecer frente aos demais.
Para ser configurado o Assédio Moral, as práticas precisam ocorrer repetidas vezes e por um período de prolongado.
DANOS PSICOLÓGICOS OU EMOCIONAIS
De acordo com Sônia Nascimento [1]:
"(...)a não configuração do Assédio Moral pela ausência do dano psíquico não exime o agressor da devida punição, pois a conduta será considerada como lesão à personalidade do indivíduo, ensejando o dever de indenizar o dano moral daí advindo.
Destarte, a pessoa que resiste à doença psicológica, seja por ter boa estrutura emocional, seja por ter tido o cuidado de procurar ajuda profissional de psicólogos ou psiquiatras, não será prejudicada, pois sempre restará a reparação pelo dano moral sofrido, ainda que o mesmo não resulte do Assédio Moral.
Assim, reiteramos nosso entendimento no sentido de que nem todo dano à personalidade configura o Assédio Moral, como se percebe na maioria dos estudos jurídicos atuais e, principalmente, nas decisões da Justiça do Trabalho.(...)
Nessa esteira, entendo que a configuração do Assédio Moral depende de prévia constatação da existência do dano, no caso, a doença psíquico-emocional. Para tanto, necessária a perícia feita por psiquiatra ou outro especialista da área para que, por meio de um laudo técnico, informe o magistrado, que não poderia chegar a tal conclusão sem uma opinião profissional, sobre a existência desse dano, inclusive fazendo a aferição do nexo causal.
Ressalto que a prova técnica para a constatação do dano deve ser produzida por perito da área médica, sem o que não há como se falar em Assédio Moral, eis ausente seu pressuposto essencial: o dano psicológico ou psíquico-emocional.(...)"
DA LEGISLAÇÃO
Expressa o artigo 114, da Constituição Federal de 1988 [2]:
"Art. 114. Compete à Justiça do Trabalho processar e julgar
I as ações oriundas da relação de trabalho, abrangidos os entes de direito público externo e da administração pública direta e indireta da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios;
II as ações que envolvam exercício do direito de greve;
III as ações sobre representação sindical, entre sindicatos, entre sindicatos e trabalhadores, e entre sindicatos e empregadores;
IV os mandados de segurança, habeas corpus e habeas data , quando o ato questionado envolver matéria sujeita à sua jurisdição;
V os conflitos de competência entre órgãos com jurisdição trabalhista, ressalvado o disposto no art. 102, I, o;
VI as ações de indenização por dano moral ou patrimonial, decorrentes da relação de trabalho;
VII as ações relativas às penalidades administrativas impostas aos empregadores pelos órgãos de fiscalização das relações de trabalho;
VIII a execução, de ofício, das contribuições sociais previstas no art. 195, I, a , e II, e seus acréscimos legais, decorrentes das sentenças que proferir;
IX outras controvérsias decorrentes da relação de trabalho, na forma da lei."
Para Indenização por Responsabilidade Civil pelos Danos Morais e Materiais, é preciso a ocorrência de três requisitos: conduta comissiva ou omissiva do agente, dano e nexo de causalidade. Na conduta comissiva, tanto o empregador, quanto os colegas de trabalho praticam o ato abusivo. Na conduta omissiva, o empregador não impede o ato de seus subordinados, tendo ele a ciência da conduta assediadora.
O dano é o abalo moral de ordem psíquico-emocional que ofende o direito de personalidade da vítima. Já o nexo causal, é configurado pela ligação entre a conduta do assediador com o dano suportado pela vítima.
NOTAS CONCLUSIVAS
O Assédio Moral é praticado por condutas abusivas, com a finalidade de atingir a personalidade e a dignidade da vítima, o que gera danos à integridade física e psíquica. Pode ocorrer entre colegas de trabalho e até mesmo partir dos subordinados.
Gera graves transtornos físicos e psíquicos, que faz a vítima ensejar rescisão do contrato de trabalho. Atinge, também, o Estado, que precisa gastar para recuperar a saúde do trabalhador, sobrecarregando a Previdência Social.
...............................................................................................................................
REFERÊNCIAS:
BRASIL. Constituição Federal de 1988. Promulgada em 5 de outubro de 1988. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao. htm> Acesso em: 04/08/2015.
CAPELARI, Luciana Santos Trindade. Trabalho. O assédio moral no trabalho e a responsabilidade da empresa pelos danos causados ao empregado. Disponível em: <http://www.ambito-juridico.com.br/site/index.php?n_link= revista_artigos_leitura&artigo_id=6668> Acesso em: 04/08/2015.
GUIA de direitos. Assédio Moral. Disponível em: <http://www.guiadedireitos.org/index.php?option=com_content&view=article&id=568&Itemid=217> Acesso em: 04/08/2015.
LIMA, João Paulo Maia. O Abalo psicológico decorrente do assédio moral suportado pelo empregado na relação de emprego: um dano moral indenizável. Disponível em: <http://www.egov.ufsc.br/portal/conteudo/o-abalo-psicol%C3%B 3gico-decorrente-do-ass%C3%A9dio-moral-suportado-pelo-empregado-na-rela %C3%A7%C3%A3o-de-empr> Acesso em: 04/08/2015.
NINA, Felipe Fonseca de Carvalho. Trabalho. Assédio moral no trabalho. Um estudo sobre os seus elementos.Disponível em: <http://www.ambito-juridico.com.br/site/?n_link=revista_artigos_leitura&artigo_id=11433> Acesso em: 04/08/2015.
UNIVERSIDADE Federal de Santa Catarina. Assédio Moral no Trabalho. O que NÃO é assédio mora no trabalho. Disponível em: <http://www.assediomoral.ufsc.br/?page_id=425> Acesso em: 04/08/2015.
NOTAS:
[1] BRASIL. Constituição Federal de 1988. Promulgada em 5 de outubro de 1988. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/ constituicao.htm> Acesso em: 04/08/2015
[2] NASCIMENTO, Sônia A. C. M. O Assédio Moral no ambiente de trabalho. Revista LTr, São Paulo, 8, ago.2004.

Nenhum comentário:

Postar um comentário